Recanalização das tubas uterinas

A infertilidade é uma condição que traz além das consequências físicas, principalmente consequências psicológicas aos casais envolvidos. Existem diversas causas de infertilidade, sejam elas originariamente masculinas, femininas ou mistas. Dentre as causas femininas de infertilidade, a obstrução tubária é a mais comum.

As tubas uterinas (ou trompas) são canais por onde os óvulos liberados pelos ovários devem percorrer até serem implantados no endométrio uterino. Existem várias causas para obstrução tubária, como processos infecciosos, endometriose, gestações ectópicas, cirurgias pélvicas, entre outras. O tratamento da obstrução pode ser cirúrgico ou por método intervencionista.

Como a obstrução tubária pode ser tratada com a radiologia intervencionista?

A Radiologia Intervencionista pode atuar tanto no diagnóstico da obstrução tubária, através de um exame chamado Salpingografia, como também no tratamento desta. Tratam-se de procedimentos minimamente invasivos, seguros, realizados com sedação anestésica e que permitem um retorno precoce às atividades cotidianas.

Como é realizado o procedimento de Salpingografia?

Para realizar a Salpingografia, o médico Radiologista Intervencionista insere um espéculo vaginal e aplica um anestésico no colo uterino. Através do colo uterino é inserido um pequeno cateter por onde uma pequena quantidade de contraste é injetada. Através de exames de raio-x em tempo real, poderá ser identificado o local da obstrução da tuba uterina.

Para realizar a desobstrução da tuba, pode ser necessário inserir alguns materiais milimétricos por dentro do cateter, os quais serão utilizados para resolver o fator causador da obstrução. Quanto mais próximo do útero for o bloqueio, mais provável que o procedimento tenha o resultado desejado.

Existem riscos relacionados a este tipo de procedimento?

Todo procedimento médico contempla alguns riscos. Entretanto, de modo geral, os métodos intervencionistas são aqueles que apresentam os menores índices de complicações. Dos riscos possíveis, os principais são dor e sangramento uterino. Raramente pode ocorrer perfuração da tuba, infecção e gravidez ectópica. De toda forma, os médicos do Dica Médica tomam todo o cuidado para a prevenção e tratamento destas possíveis complicações, realizando os procedimento sempre em ambiente seguro, com técnicas reconhecidas por literaturas científicas.

👋 Olá, como posso ajudar?