Miomas uterinos

Embolização uterina

Miomas uterinos são um dos tumores benignos mais comuns que acometem as mulheres.

Na grande maioria das vezes é assintomático, podendo ser único ou múltiplos, além de poder se localizar em diversas partes do útero.

Dependendo do tamanho, quantidade e da localização, o mioma pode ocasionar sintomas leves, tais como cólicas, sangramentos ou em situações mais extremas, sangramentos intensos que provocam anemia, aumento do risco de aborto em caso de gravidez, entre outros.

De modo geral, os miomas que se localizam na camada interna do útero (submucosos) estão mais relacionados a irregularidades menstruais e ao aumento do fluxo de sangramento, enquanto que os miomas localizados no meio das camadas do útero (intra-murais) estão mais vinculados a dores como cólicas e dores durante a relação sexual.

O diagnóstico do mioma uterino pode ser facilmente realizado através de um exame de ultrassonografia, ou também pode ser necessário complementar com uma ressonância magnética.

Quando assintomáticos, os miomas requerem apenas acompanhamento ginecológico, pois tendem a desaparecer após a menopausa.

Quanto os sintomas são mais intensos e afetam a qualidade de vida da mulher, indica-se tratamento, o qual pode ser medicamentoso, cirúrgico ou então o tratamento pelo método da Embolização.

A Embolização uterina ou dos miomas uterinos um procedimento minimamente invasivo (ou seja, sem cortes), realizado através de técnicas de cateterismo. É executado por meio de um pequeno “furinho” na pele, na região da virilha ou do braço.

O Radiologista Intervencionista é o médico capacitado para realizar este tratamento. Nesta técnica, o médico provoca uma espécie de “entupimento” dos vasos sanguíneos que alimentam os miomas e com isso os tumores deixam de receber nutrição, ocasionando uma diminuição de seus tamanhos e, consequentemente, dos sintomas.

A técnica de Embolização é uma ótima alternativa para as pacientes que desejam manter o útero e/ou tenham desejo reprodutivo (ter filhos), podendo assim, evitar-se a retirada do útero (histerectomia).

Gostou deste assunto? Converse com o seu médico ginecologista sobre esta possibilidade de tratamento ou agenda uma consulta com um dos especialistas cadastrados no Dica Médica.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

dois + treze =