Fístulas linfáticas: conheça o método de tratamento intervencionista para a condição

As fístulas linfáticas representam uma condição rara que se caracteriza pela anormalidade do sistema linfático, gerando desconfortos e afetando a qualidade de vida do paciente. 

Felizmente, os avanços na área da radiologia intervencionista trouxeram uma opção de tratamento minimamente invasiva e eficaz: a embolização linfática. Antes, vamos explorar mais o sistema linfático para depois entendermos quais os riscos das fístulas linfáticas.

 

Entenda mais sobre o sistema linfático e como ocorrem as fístulas

O sistema linfático é uma parte essencial do nosso sistema imunológico, responsável por transportar fluidos linfáticos, nutrientes e células imunológicas pelo corpo. Esse líquido (linfa) é filtrado pelos gânglios linfáticos para eliminar bactérias, vírus e outras substâncias prejudiciais.

As fístulas linfáticas surgem quando ocorre uma ruptura ou lesão nos vasos linfáticos, originando um vazamento de linfa para outras partes do corpo onde não deveria estar presente.

Essa condição pode surgir por várias causas, como traumas, complicações pós-cirúrgicas ou malformações congênitas.

Os sintomas das fístulas linfáticas podem variar, mas geralmente incluem o vazamento de um líquido claro através da pele, inchaços e desconfortos locais. Esses sintomas podem afetar a qualidade de vida do indivíduo, necessitando de atenção médica.

O diagnóstico geralmente envolve uma combinação de exames clínicos e exames de imagem. Uma vez confirmado o diagnóstico, o tratamento pode ser realizado de várias formas, dependendo da gravidade e localização da fístula.

 

Tratamento intervencionista para fístulas linfáticas 

Entre as possibilidades de tratamento, destacamos a técnica de embolização, que tem como objetivo fechar a fístula ou redirecionar o fluxo linfático para aliviar os sintomas. 

O procedimento envolve a introdução de um cateter através de uma pequena incisão na pele que, com auxílio de exames de imagem, alcança os vasos linfáticos acometidos. Por meio do cateter, são injetadas substâncias embolizantes a fim de bloquear ou obstruir os vasos linfáticos e interromper o escoamento anormal da linfa, direcionando o fluxo linfático para vias alternativas e permitindo que a fístula se feche naturalmente ao longo do tempo.

A recuperação varia de pessoa para pessoa, mas geralmente é mais rápida e os pacientes retornam às suas atividades normais em um período relativamente curto.

É importante ressaltar que o tratamento intervencionista para fístulas linfáticas pode variar de acordo com a localização, gravidade e características individuais do caso. Cada paciente deve ser avaliado por um especialista para determinar a melhor opção de tratamento de acordo com os benefícios, riscos e complicações potenciais de cada caso. 

Se você quer saber mais sobre os procedimentos disponíveis pela radiologia intervencionista, continue acompanhando o Portal Dica Médica para mais conteúdos, além de encontrar médicos especialistas próximos de você. Você também pode clicar aqui e preencher um rápido cadastro para solicitar um atendimento. Continue acompanhando o Portal Dica Médica também pelo Instagram e Facebook. Conte com a gente!

Esclareça suas dúvidas ou agende uma consulta com um médico especialista

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esclareça suas dúvidas ou agende uma consulta com um médico especialista

Favor preencher os seus dados