Quando é necessário fazer uma biópsia de nódulo no rim?

O câncer de rim costuma ser uma descoberta ocasional ou “achado incidental” em um exame de imagem radiológica. Nesse tipo de exame, o que indica a suspeita de um tumor é, principalmente, a presença de uma lesão sólida e irregular no interior do rim. Esta lesão é chamada de nódulo, popularmente chamada de “caroço”, e pode ser ocasionada por um tumor maligno ou benigno. A biópsia de nódulo no rim é o procedimento de escolha para definir o tipo de tumor quando isso não for possível após a realização de exames como o ultrassom, a tomografia e a ressonância magnética.

A biópsia de nódulo no rim é um procedimento intervencionista minimamente invasivo realizado de forma percutânea. Por meio de uma agulha especial inserida no abdome do paciente, o médico radiologista intervencionista retira pequenos fragmentos do nódulo, que serão encaminhados para análise laboratorial. Essa agulha tem o seu trajeto guiado comumente por ultrassonografia, para que o tecido retirado seja no ponto exato de interesse de análise.

Alta após 6 horas de observação

A biópsia de um nódulo renal é realizada sob anestesia local e o paciente recebe alta após um período de 4 a 6 horas de observação. Com a realização da biópsia no rim, o médico consegue identificar com precisão o tipo de nódulo. Se o tumor for benigno, em vez de o paciente ser encaminhado para um tratamento definitivo, como cirurgia ou ablação, basta o acompanhamento do caso pelo médico.

Aproximadamente 30% dos nódulos que aparentam ser malignos na observação inicial são, na verdade, benignos. Por isso é importante que, antes de realizar qualquer tratamento, você seja avaliado por um médico especialista em radiologia intervencionista.

Biópsia de rim pode ajudar no diagnóstico de outras doenças

Além da confirmação da natureza de um tumor (se benigno ou maligno), a biópsia renal também pode ser indicada para diagnosticar outras doenças. Estão entre as principais indicações para este procedimento:

  • Síndrome nefrótica
  • Síndrome nefrítica
  • Insuficiência renal aguda
  • Insuficiência renal rapidamente progressiva
  • Proteinúria ou hematúria de origem indeterminada
  • Acompanhamento pós-transplante renal

A biópsia renal randômica é um pouco diferente da biópsia de um nódulo, pois na primeira o objetivo é retirar pequenos fragmentos do órgão, enquanto a segunda são retirados fragmentos do tumor. Ambos os procedimentos são realizados preferencialmente por um médico radiologista intervencionista, credenciado pela Sociedade Brasileira de Radiologia Intervencionista e Cirurgia Endovascular (Sobrice).

No Portal Dica Médica você encontra médicos especializados na realização de biópsias em diferentes regiões do Brasil.

Esclareça suas dúvidas ou agende uma consulta com um médico especialista

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esclareça suas dúvidas ou agende uma consulta com um médico especialista

Favor preencher os seus dados