Embolização: alívio para quem usa sonda vesical devido à HPB

embolização sonda vesical

A hiperplasia prostática benigna (HPB) é uma patologia que afeta mais da metade dos homens a partir dos 50 anos de idade. Embora assintomática em boa parte dos casos, há sintomas bastante desagradáveis quando ocorre o crescimento exagerado da próstata. Um dos principais desses sintomas é a retenção urinária (obstrução completa da saída de urina), que pode obrigar o paciente a utilizar uma sonda para conseguir esvaziar a bexiga.

Quando a próstata atinge determinado tamanho (usualmente maior que 40 gramas), ela é capaz de comprimir o canal da uretra e pressionar a bexiga, dificultando a micção do homem. Nos casos mais graves (próstatas com mais de 80 gramas), o paciente apresenta risco maior de ter uma obstrução aguda, o que além de bastante doloroso pode levar a problemas mais graves, como infecção urinária e insuficiência renal, sendo portanto uma emergência médica.

O tratamento inicial consiste na colocação da sonda, que nada mais é do que um cateter inserido através da uretra para esvaziar a bexiga. A sondagem pode ser feita de três formas: temporária ou de alívio (quando se retira o cateter após o esvaziamento), intermitente (quando o paciente realiza sondagens repetidas conforme a necessidade) ou permanente (a sonda fica por tempos prolongados até que o problema seja resolvido). A necessidade de sonda vesical, além dos problemas médicos mencionados, acarreta em uma acentuada perda da qualidade de vida, causando inúmeros constrangimentos aos pacientes.

A boa notícia é que para estes pacientes existe uma moderna técnica da medicina capaz de trazer alívio em poucos dias e possibilitar a retirada da sonda. Trata-se da embolização das artérias prostáticas (EAP), um procedimento minimamente invasivo e indolor, que age para reduzir o tamanho da próstata e, consequentemente, reduzir os sintomas relacionados à patologia e que afetam a qualidade de vida dos homens. Após o procedimento, geralmente os pacientes conseguem retirar a sonda em até 2 semanas.

Como é feita a embolização das artérias prostáticas?

A embolização das artérias prostáticas é um procedimento minimamente invasivo, em que o paciente consegue reduzir o tamanho da próstata e aliviar os sintomas da hiperplasia prostática benigna. Por meio de um pequeno furo na região da virilha ou do punho, o médico é capaz de inserir um cateter guiado por imagens em tempo real até as artérias que irrigam a próstata. Neste ponto, ele irá injetar micropartículas que irão obstruir o fornecimento de sangue à próstata, causando a redução do seu tamanho.

O procedimento pode ser realizado apenas com anestesia local ou leve sedação, com o paciente recebendo alta após algumas horas em observação. Depois de um dia de repouso já é possível retornar às atividades rotineiras.

Quem realiza a embolização das artérias prostáticas?

A embolização da HPB é realizada por um radiologista intervencionista especializado neste tipo de procedimento e credenciado pela Sociedade Brasileira de Radiologia Intervencionista e Cirurgia Endovascular (Sobrice).

No Portal Dica Médica é possível entrar em contato com médicos especializados no tratamento da Hiperplasia Prostática Benigna e realizar a embolização da próstata em diversas regiões do Brasil.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

2 × 4 =